UM "RATO BITCOIN" FOI POSICIONADO EM FRENTE AO BANCO CENTRAL DOS EUA

UM "RATO BITCOIN" FOI POSICIONADO EM FRENTE AO BANCO CENTRAL DOS EUA

Imagine estar caminhando pela Wall Street em Nova Iorque e, de repente, se deparar com um enorme rato inflável na calçada?

Pois foi exatamente o que aconteceu recentemente na área financeira da cidade mais populosa dos EUA. O rato - coberto com diversos códigos de criptografia relacionados ao Bitcoin - foi posicionado estrategicamente em frente a entrada do escritório do Federal Reserve, o banco central americano. A obra é um protesto contra a resistência do FED a criptomoedas e uma lembrança da intenção de Satoshi Nakamoto ao desenvolver a tecnologia.

A intervenção artística é de autoria de Nelson Saiers, um investidor bem sucedido de derivativos em Wall Street com PhD em matemática e artista plástico. Portanto, essa não é a primeira de suas criações. Ele dedica sua energia a peças artísticas que se relacionam com o sistema financeiro tradicional com o qual lidamos hoje. Sua arte financeira ganhou as manchetes ao longo dos anos depois que ele deixou sua posição de negociação em 2014.

O rato branco representa um momento interessante na história, porque foi instalado ali dez anos após a crise financeira de 2008. Além disso, o dia 31 de outubro marca o décimo aniversário do white paper Bitcoin publicado por Satoshi Nakamoto. Saiers explicou numa entrevista concedida no início deste mês que a peça também é uma representação dessas datas.

 

"Então, essa peça é um pouco diferente dos ratos infláveis que você vê pela cidade. Ele é carregado com o código Bitcoin e algumas equações relacionadas. Há cerca de dez anos atrás, enquanto o Tarp estava resgatando a economia, Satoshi Nakamoto escreveu esse código junto com as palavras; O Times, chanceler à beira de um segundo resgate aos bancos, referindo-se ao equivalente na Inglaterra - Satoshi parecia bastante contrário à centralização e disse que estava condenado no final. Eu queria ser fiel às suas opiniões e refletir isso na obra de arte", relatou.

 

A INFESTAÇÃO DE RATOS

Nas últimas duas décadas, a arte de rua retratando as desigualdades financeiras do mundo tornou-se um movimento significativo globalmente. O proeminente e controverso artista de rua, Banksy, elevou essa forma de arte a um novo patamar e a imagem de ratos já pode ser vista em muitas paredes cobertas de pichações.

O próprio Banksy disse que o rato é algo para se admirar, porque esses animais fazem o que querem. “Se você se sente sujo, insignificante ou não amado, os ratos são um bom exemplo. Eles existem sem permissão, não têm respeito pela hierarquia da sociedade ”, explicou o artista em seus escritos.

A inovação da criptomoeda em si tem sido descrita como um "texugo do dinheiro" ou um rato de rua anarquista muitas vezes ao longo dos anos.

Em 2016, o cientista da computação Andreas Antonopoulos referiu-se ao protocolo Bitcoin como um “rato de esgoto de moedas”:

 

"O Bitcoin não está vivendo em uma bolha - o Bitcoin é um rato de esgoto. Está faltando uma perna. Seu focinho mutilado em um acidente no ano passado. Não é alérgico a nada - na verdade, provavelmente tem algumas cepas de peste bubônica nele, que ele trata como um resfriado comum. Você tem um sistema que é antifrágil, dinâmico e robusto ”.

 

A ARTE DE RUA BITCOIN NÃO VAI EMBORA TÃO CEDO

Nos últimos dois anos, mais ou menos, o Bitcoin e a arte de rua se fundiram, tanto que muitos artistas têm usado o criptocorrente para simbolismo nas paredes. Em Paris, na França, há um artista chamado Pascal Boyart - também conhecido como "Pboy" - que deixa sua arte com criptomoeda e código QR em edifícios de toda a cidade. O artista criptograffiti ganhou fama ao espalhar sua obra infundida em Bitcoin por várias cidades dentro dos EUA.

Arte de rua Bitcoin, por Pascal Boyart

A última instalação artística de Saiers e os muitos outros artistas ao redor do mundo, mostram que há uma tendência crescente de misturar simbolismo financeiro e político visualmente divertido com criptomoedas. O rato Bitcoin, no entanto, não é permanente e Saiers tem planos de remover o inflável após a exibição.