NEGOCIAÇÃO DE BITCOIN NA VENEZUELA BATE RECORDE DEVIDO À ENORME INFLAÇÃO

NEGOCIAÇÃO DE BITCOIN NA VENEZUELA BATE RECORDE DEVIDO À ENORME INFLAÇÃO

À medida que a crise econômica na Venezuela piora, levando a um crescente êxodo de cidadãos para fora do país, a demanda por bitcoins e outras criptomoedas explodiu.

Os venezuelanos negociaram bitcoins no valor de quase 300 milhões de bolívares na semana passada e o recorde pode ser quebrado novamente, pois nesta semana, um bitcoin valendo mais de 292 milhões de bolívares já foi comercializado. Esta é a continuação de uma tendência no par BTC/VES que começou no início do ano.



O agravamento das condições econômicas resultou em relatos de venezuelanos que fugiram da Venezuela - em grande número a pé e de ônibus - por considerarem a vida intolerável na nação socialista. De acordo com as estatísticas da Organização Internacional para as Migrações, desde 2015, cerca de 1,6 milhões fugiram e número ainda está aumentando. A maioria deles fugiu para outros países da América do Sul, como Colômbia, Peru, Brasil e Argentina.

95% DE DESVALORIZAÇÃO

Além de um aumento na demanda por bitcoins como uma proteção contra as condições de alta inflação no país, parte da razão para os volumes de negociação recorde no par BTC / VES tem a ver com a desvalorização da moeda nacional há algumas semanas. Em agosto deste ano, cinco zeros foram retirados da moeda do país após os níveis de inflação que subiram para níveis estratosféricos. No entanto, isso parece não ter resolvido os problemas, já que a taxa de inflação está estimada em 100%, apesar de a "nova" moeda venezuelana ter menos de dois meses.

Além de desvalorizar a moeda em 95% e renomear o bolívar soberano, o presidente venezuelano Nicolas Maduro também anunciou que o bolívar estaria vinculado à criptomoeda Petro, que foi revelada no início do ano. Isso foi na esperança de contornar as sanções e obter acesso às finanças internacionais, além de controlar a hiperinflação persistente.

BAIXA CAPTAÇÃO

A adoção do petro tem sido, no entanto, baixa em meio a um amplo ceticismo, com alguns questionando se existe de fato. Apesar disso, o governo tem se esforçado para aumentar a criptomoeda, por exemplo, decretando que seria a moeda oficial da Petróleos de Venezuela, S.A. (PDVSA), estatal petroleira. Maduro também pressionou para que o Petro se tornasse a segunda unidade de conta.

“A partir da próxima segunda-feira, a Venezuela terá uma segunda unidade contábil baseada no preço, o valor do petro”, observou Maduro na televisão nacional. "Será uma segunda unidade contábil da República e iniciará as operações como uma unidade contábil obrigatória de nossa indústria de petróleo da PDVSA", completou.