EXCHANGE BITHUMB REVELA PERDA DE US$ 180 MILHÕES EM 2018

EXCHANGE BITHUMB REVELA PERDA DE US$ 180 MILHÕES EM 2018

A Bithumb, maior exchange de criptomoedas da Coréia do Sul, registrou uma perda líquida de 205,5 bilhões de wones (US$ 180 milhões) em 2018.

A notícia foi publicada ontem, 11, pelo portal de notícias CoinDesk Korea, que disse que tal perda deveu-se principalmente a uma queda acentuada no mercado de criptomoedas no ano passado, embora o operador da empresa BTCKorea também tenha mencionado os investimentos em infraestrutura e custos trabalhistas como fatores.

O valor marca um grande número negativo para a Bithumb, que registrou um ganho líquido de 534,9 bilhões de wones (US$ 469 milhões) em 2017.

A renda cambial, por outro lado, cresceu em torno de 17,5%, para 391,7 bilhões de wones (US$ 343,4 milhões) em 2018, em comparação com 333,4 bilhões de wones (US$ 292,3 milhões) do ano anterior.

Os números também mostram que o lucro operacional do mercado de ações caiu 3,4% para 256,1 bilhões de wones (US$ 224,5 milhões) no ano passado, comparado a 265,1 bilhões de wones (US$ 232,5 milhões) em 2017.

Enquanto isso, as despesas operacionais aumentaram de 68,3 bilhões de wones (US$ 59,8 milhões) para 135,6 bilhões de wones (US$ 119 milhões), enquanto os gastos não operacionais aumentaram consideravelmente de 4,1 bilhões (US$ 3,6 milhões) para 381,9 bilhões de wones (US$ 334,8 milhões).

MOMENTOS DIFÍCEIS

A Bithumb tem passado por tempos difíceis. Apenas há duas semanas atrás, a exchange sofreu sua última invasão, perdendo cerca de US$ 13 milhões na criptografia EOS e aproximadamente US$ 6,2 milhões em XRP. No ano passado, a "empresa" também foi pirateada por um valor de US$ 30 milhões em moedas criptografadas, mas depois afirmou ter recuperado US$ 14 milhões dos fundos roubados.

Desde o último roubo, a Bithumb revelou que mantém os ativos de todos os clientes em carteiras frias (offline) para evitar perdas por meio de tais ataques.

No meio de seus problemas financeiros, a exchange disse no mês passado que planeja reduzir o número de funcionários em até 50%, de 310 para cerca de 150.