ESTADOS UNIDOS SANCIONA BANCO RUSSO QUE PERMITIU FINANCIAMENTO DO PETRO

ESTADOS UNIDOS SANCIONA BANCO RUSSO QUE PERMITIU FINANCIAMENTO DO PETRO

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos sancionou um banco sediado em Moscou por seu papel no financiamento da controversa criptomoeda venezuelana, o petro.

O Tesouro anunciou na segunda, 11, que seu Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC, na sigla em inglês) designou o Evrofinance Mosnarbank - que é propriedade conjunta de empresas estatais russas e venezuelanas - à Lista de Nacionais Especialmente Designados, por ser o banco internacional "primário" que ajudou a financiar o projeto de petro fracassado do presidente venezuelano contestado Nicolás Maduro.

 

"Os primeiros investidores do Petro foram convidados a comprar a criptomoeda, transferindo fundos para uma conta do governo venezuelano no Evrofinance. O envolvimento da instituição financeira russa no Petro demonstrou a esperança de Maduro de que a criptomoeda permitiria que a Venezuela contornasse as sanções financeiras dos EUA", declarou o Tesouro norte-americano.

 

O delegação também afirmou que o Evrofinance apoiava a estatal petrolífera venezuelana "Petroleos de Venezuela SA" (PdVSA), que há muito "é um veículo de corrupção, estelionato e lavagem de dinheiro por parte de Maduro e seus comparsas". A empresa também está na lista de sanções dos EUA desde janeiro.

O secretário do Tesouro, Steven T. Mnuchin, disse:

 

"Os Estados Unidos tomarão medidas contra as instituições financeiras estrangeiras que sustentam o regime ilegítimo de Maduro e contribuem para o colapso econômico e a crise humanitária que assola o povo da Venezuela".

 

Em resposta à ação do departamento norte-americano, o Evrofinance divulgou um comunicado em seu site na segunda, 11, afirmando que o banco “continua a operar de maneira estável” e que “cumprirá incondicionalmente todas as suas obrigações para com os clientes e parceiros na íntegra”.

Com a adição da instituição financeira à lista de SDN, o Tesouro declarou:

 

“Todas as propriedades e interesses na propriedade desta entidade, e de quaisquer entidades que sejam detidas, direta ou indiretamente, em 50% ou mais por esta entidade, que estejam nos Estados Unidos ou em posse ou controle de pessoas dos EUA estão bloqueadas e devem ser comunicadas ao OFAC”. 

 

O petro da Venezuela foi lançado pela primeira vez em pré-venda em fevereiro do ano passado e foi vendido aos cidadãos em outubro por meio de um portal do governo.