CRIPTOATIVOS E VIDEOGAMES: UM SETOR QUE CRESCEU EM 2018

CRIPTOATIVOS E VIDEOGAMES: UM SETOR QUE CRESCEU EM 2018

Fornite, Minecraft e Assasin's Creed são nomes que ressoam dentro e fora da indústria de videogames por vários anos. Esse mercado acumula cada vez mais poder aquisitivo com o passar do tempo e marca uma trajetória que já supera, em ganhos, os setores comerciais da música e do cinema.

De acordo com dados da En.Digital, é estipulado que a indústria de videogames poderia concentrar lucros de até 180 bilhões de dólares até 2021. O mercado de jogos digitais cresceu a ponto de apenas entre 2017 e 2018 serem calculados lucros comparáveis à renda total do mundo da música desde o seu início.

Os videogames estão surgindo como a galinha dos ovos de ouro dos produtores de entretenimento. É por isso que a introdução de tecnologias criptoativas em plataformas de jogos digitais se tornou um dos eventos mais comentados do ano passado, prometendo não apenas uma adoção em larga escala de redes DLT, mas também a incorporação de novos modelos econômicos e recreativos.

Este ano tem sido particularmente prolífico para a introdução de tecnologias de criptografia em produtos de videogame. Em 2018, um crescimento cada vez mais notável foi projetado no setor que poderia augurar uma futura consolidação, com a popularização de fichas colecionáveis, a adoção do blockchain por importantes empresas de videogames para suas plataformas e a constituição de mercados descentralizados para a compra e venda desses jogos.

Erik Voorhees, CEO da Shapeshift, prevê um aumento na capitalização de criptogramas futuramente, comentando por meio de um tweet que colecionáveis e jogos relacionados a criptoativos poderiam ser o mercado de criptografia com as melhores citações para 2019.



NASCIDO NO BLOCKCHAIN

Os criptoativos colecionáveis têm sido um dos jogos mais populares no ecossistema em 2018, não apenas por mobilizar um mercado com grandes capitalizações, mas também por constituir uma comunidade cada vez mais diversificada.

De acordo com dados do Dappradar.com, 70% das aplicações descentralizadas da Ethereum são jogos baseados em criptocolecionáveis, um número que confirma o aumento criativo que desencadeou iniciativas como Cryptokitties. Os mais amados e famosos gatinhos da Ethereum, lançados no mercado em 2017, foram uma das primeiras demonstrações dos tokens ERC721 e o sucesso mais conhecido dos criptoativos colecionáveis.

O que a princípio parecia um simples jogo de coleção, como selos e cartões, rapidamente se tornou um investimento a longo prazo e uma possível alternativa digital para colecionadores. As cryptokitties levaram os criptocolecionáveis a outro nível, definindo seus produtos como peças de arte e vendendo-os em centenas de milhares de dólares.

Este sucesso exigiu a criação de novos e mais complexos games colecionáveis. Não só os gatos listados introduziram a possibilidade de comprar chapéus e batalhas entre peças para coleção, mas outras propostas como Etherbots e Ethermons introduziram plataformas de realidade virtual para completar a experiência de interação de seus usuários com outros jogadores.

O interesse por esse mercado é notável, alcançando o apoio de grandes empresas como Google e Samsung, além de outras instuições do ecossistema como a Waves, que destinou dois milhões de dólares para o desenvolvimento de jogos em sua rede.

Em muito pouco tempo, os criptocomputáveis também conseguiram consolidar sua aplicação em setores de grande difusão, como é o caso dos criptoativos colecionáveis baseados nos jogadores de beisebol profissionais da Major League Baseball (MLB) - investimentos que parecem consolidar esse mercado para o próximo ano.

 

GRANDES ALIADOS

Outra das grandes novidades para o setor dos criptoativos relacionados a videogames neste ano é o interesse que têm mostrado empresas reconhecidas da indústria, destacando-se entre elas a assinatura francesa Ubisoft e o lendário Atari.

Hashcraft é o nome do primeiro jogo desenvolvido pela Ubisoft que integra blockchain em sua operação. O tema é baseado em ilhas e tesouros, mas sua implementação mais inovadora é que ele usa os tokens ERC721 para dar aos jogadores mais independência ao comprar ou vender produtos exclusivos dentro do game.

A Atari também decidiu realizar um movimento na área de tecnologias contábeis recentemente distribuída em dezembro, calculando que seu produto está habilitado para o mercado chinês em 2019. A conhecida firma japonesa anunciou o relançamento de dois de seus jogos mais populares para smartphones, que integrarão entre seus novos recursos tokens não fungíveis, isto é, selecionáveis por criptografia.

 

MERCADOS DESCENTRALIZADOS

O surgimento de criptoativos em diferentes áreas comerciais influenciou uma poderosa transformação dos seus modelos de negócio e participação. Desta forma, representantes de setores como imobiliário, saúde e bancos confessaram que a introdução de criptomoedas nas suas estruturas de trabalho significou uma mudança de paradigma nos seus esquemas de comércio, que foram direcionados para sistemas mais descentralizados.

No caso da indústria de videogames, essa transformação não foi esquecida. A criação de mercados descentralizados para a venda de jogos online, assim como a criação de criptoatividades especializadas no setor, buscam gerar um ecossistema muito mais competitivo que não se concentre apenas nas grandes empresas.