BNDES LANÇARÁ STABLECOIN ATRELADA AO REAL NO INÍCIO DE 2019

BNDES LANÇARÁ STABLECOIN ATRELADA AO REAL NO INÍCIO DE 2019

O BNDES - Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico Social - anunciou ontem, 17, que irá lançar uma stablebcoin pareada com o Real no início do próximo ano. Nesse sentido, o BNDESToken será experimentado num teste piloto em janeiro de 2019. Esta será a primeira vez que um banco do Estado utilizará um criptoativo ligado a nossa moeda nacional.

Criado este ano, o token funciona na rede Ethereum, com consultoria do ConsenSys e será utilizado para contribuições dedutíveis de imposto para instituições culturais. A nova moeda, por sua vez, possui como indexação um valor de 1:1 em relação ao Real.

Essa não é a primeira vez que o BNDES trabalha com o Ethereum. Ao longo do ano, a instituição financeira realizou diferentes ações usando ativos digitais, provavelmente já testando aspectos e possibilidades para seu novo token.

Como primeira ação, o banco emitirá centenas de dólares em fichas para transferi-las para a Agência Nacional do Cinema (Ancine) com o propósito de elaborar e promover roteiros e produções do cinema no Brasil. Fundado em 2001, este órgão opera sob a supervisão do Ministério da Cultura.

É importante ressaltar que a razão inicial para a liberação de tokens criptografados é eliminar e combater o desvio de fundos ou outras práticas corruptas, visto que o BNDES é um banco nacional e está diretamente ligado com diversas fraudes relacionadas ao poder público, o que gerou problemas de confiança por parte dos clientes.

Desta forma, os criadores do projeto piloto também apostaram nessa iniciativa como um mecanismo de restaurar e aumentar a credibilidade do banco, com seus dados adicionados a um blockchain, garantindo transparência sobre os fundos transferidos.

No teste inicial, serão utilizados os certificados de identificação eletrônica do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), que é um documento oficial de registro já bastante utilizado pelas empresas do país. A intenção é que as instituições de cinema que recebem recursos para desenvolver roteiros ou filmes, só possam "gastá-lo com empresas que atuam no setor audiovisual", conforme explicou Vanessa Almeida, gerente de desenvolvimento de sistemas do BNDES.

Ela também declarou:

 

“Nós temos uma identificação no Brasil que tem um certificado para mandar o token para as companhias. A companhia tem sempre que assinar esse certificado… Nós vamos saber com antecedência para qual endereço os ativos estão sendo enviados”.

 

Até o momento, ainda não se sabe mais detalhes do teste piloto. No entanto, é bom lembrar que a instituição financeira nacional vem trabalhando no decorrer deste ano em diversos aspectos relacionados ao seu token e as possíveis soluções que podem ser criadas, incluindo Ethereum entre suas operações.

Tanto é que em setembro foi anunciado que o BNDES iniciou uma consulta pública para identificar possíveis alternativas para a gestão de contas, o monitoramento de transações e a associação de contas com o CNPJ ou CPF. Essa pesquisa, aberta até o dia 7 do mês passado, levantou propostas para se candidatar ao BNDESToken e compatível com um blockchain que implementa contratos inteligentes.