BLOCKCHAIN SE TORNARÁ UMA TECNOLOGIA COMUM EM 2019, SEGUNDO O MIT

BLOCKCHAIN SE TORNARÁ UMA TECNOLOGIA COMUM EM 2019, SEGUNDO O MIT

A Blockchain - que tem sido aclamada como uma tecnologia revolucionária que poderia transformar setores inteiros - será considerada “comum” em 2019, de acordo com um artigo publicado pelo MIT Technology Review.

A Review é uma revista independente, porém de total propriedade do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) dos Estados Unidos, um dos maiores centros de pesquisa de tecnologia do mundo.

 

“Em 2017, a tecnologia blockchain foi uma revolução que deveria perturbar o sistema financeiro global. Em 2018, foi uma decepção. Em 2019, começará a se tornar mundano”, afirmou a Technology Review.

 

O MIT observou que a tecnologia de contabilidade distribuída tem sido amplamente elogiada por seu potencial de transformar serviços de saúde, bancos, gerenciamento da cadeia de suprimentos e até mesmo a indústria do entretenimento.


APOIO MAIOR DO WALMART E WALL STREET

Um dos pontos apresentados no artigo do MIT é o fato de que a popularização da blockchain está sendo facilitada por mega empresas como o Walmart e por uma dinâmica institucional em Wall Street:

 

"O Walmart vem testando um sistema blockchain privado há anos como um rastreador de fornecimento de alimentos. A empresa diz que começará a usar o sistema no próximo ano e instruiu seus fornecedores de folhosas a se juntarem até setembro [2019]”.

 

Isso segue um movimento similar da cadeia francesa de supermercados Carrefour, que está usando blockchain para melhorar a segurança alimentar rastreando frango, ovos e tomates enquanto são encaminhados de fazendas para lojas.

O Carrefour - maior varejista da Europa, com mais de 12.000 locais em todo o mundo - diz que o blockchain pode ajudar a detectar e prevenir surtos de salmonela ligados a ovos e aves, que são um grande problema na indústria alimentícia.

Um relatório recente indica que a indústria automobilística também está apostando alto na tecnologia descentralizada. Os executivos deste setor acreditam que a promessa blockchain de transações seguras e rastreáveis e maior transparência das informações pode agilizar o gerenciamento da cadeia de suprimentos.

O MIT Technology Review também apontou que as instituições financeiras estão começando a entrar na “onda” da criptografia:

A Intercontinental Exchange (ICE), proprietária da Bolsa de Valores de Nova York, planeja lançar sua própria troca de ativos digitais no início de 2019. E a Fidelity Investments criou recentemente uma nova empresa chamada Fidelity Digital Assets.

Todas essas “peças” em movimento sugerem que, apesar do atual “Crypto Winter”, a indústria está lançando as bases para a adoção mainstream.