APAGÃO DE CERCA DE 100 HORAS NA VENEZUELA TAMBÉM AFETOU A COMUNIDADE DE CRIPTOMOEDA

APAGÃO DE CERCA DE 100 HORAS NA VENEZUELA TAMBÉM AFETOU A COMUNIDADE DE CRIPTOMOEDA

Um colapso elétrico de cerca de 100 horas mergulhou a Venezuela, literalmente, na escuridão. É o apagão mais importante na história do país sul-americano que trouxe como consequências a falta de água, a suspensão do transporte e a crise no sistema nacional de saúde.

As comunicações e a conexão com a Internet também sofreram falhas em toda a nação. No terceiro dia do blecaute, 80% do país foi desconectado, deixando milhares de famílias incomunicáveis. Durante o primeiro dia de apagão, apenas 2% da população tinha uma conexão, conforme os dados fornecidos pela rede Netblocks Internet Observatory.

O mercado digital também foi bastante afetado. A principal criptomoeda, o Bitcoin, sofreu uma queda acentuada. O comércio virtual de videogames Runescape foi prejudicado pelas interrupções elétricas.

MINEIROS DE RUNESCAPE OFFLINE

Em um país em crise, o comércio de produtos de videogame é uma alternativa econômica que pode permitir uma renda superior à de um emprego tradicional. No Runescape, o jogo MMORPG, a prática ilegal de venda de alguns produtos pode proporcionar uma renda de até US$ 25 por semana.

Dentro da economia ilegal dos videogames, centenas de venezuelanos se dedicam a minerar fichas de jogo e depois vendê-las dentro ou fora do espaço digital. Estas moedas podem ser trocadas por produtos dentro do game ou por dinheiro real, como dólares ou bitcoins.

Alguns fãs de Runescape ficaram surpresos quando, 48 horas após o apagão, alguns produtos começaram a ficar escassos após a falha elétrica no país caribenho.

COMÉRCIO DE BITCOIN FOI CANCELADO

Depois que a Venezuela bateu seu recorde de transações na plataforma de troca p2p LocalBitcoins, no último mês, o comércio de Bitcoins refletiu uma queda significativa neste momento.

O blecaute geral afetou o país desde quinta, 7. Naquela data, a plataforma registrou um volume de US$ 1.057 milhões em BTC. Já no dia seguinte, o valor caiu significativamente para US$ 183 mil. A principal criptomoeda registrou o menor volume de transações no domingo, 10, com US$ 173 mil.

Durante a primeira semana de março, o volume de negócios do Bitcoin atingiu 1.953, de acordo com dados da CoinDance. Um dado que indica que, comparado com a semana anterior ao blecaute, o volume da tradicional criptomoeda trocadas na LocalBitcoins foi reduzido e apenas 1.143 foram trocadas. Isso é menos da metade dos bitcoins trocados na primeira semana de fevereiro, quando foram negociados 2.487 bitcoins.

Nos últimos anos, os venezuelanos adotaram criptoativos como alternativa à crise econômica e à desvalorização do bolívar. A Venezuela está entre os principais países de troca de bitcoins, de acordo com os registros comerciais da plataforma LocalBitcoins. Na verdade, é o segundo mundial depois da Rússia.

Entre os 30 milhões afetados pelo blecaute estão os usuários de moedas digitais. Durante as mais de 80 horas de colapso elétrico, os venezuelanos foram impedidos de participar de suas tarefas diárias, incluindo aqueles que trabalham com a rede.