ADOÇÃO DE BLOCKCHAIN SERÁ LIDERADA POR PLATAFORMAS AUTORIZADAS, DIZ RELATÓRIO DA UNIÃO EUROPEIA

ADOÇÃO DE BLOCKCHAIN SERÁ LIDERADA POR PLATAFORMAS AUTORIZADAS, DIZ RELATÓRIO DA UNIÃO EUROPEIA

A “primeira onda” de adoção de blockchain será liderada por plataformas de permissão focadas em casos de uso específicos ou bases de usuários, de acordo com um novo relatório da União Europeia. O documento foi publicado na semana passada pelo Observatório e Fórum Blockchain da UE, elaborado em seu nome pela ConsenSys AG e intitulado “Escalabilidade, Interoperabilidade e Sustentabilidade de Blockchains”.

O informativo argumenta que blockchains focados em atender as necessidades específicas dos usuários fornecem "uma grande flexibilidade" em comparação com blockchains públicos. Construtores de plataformas privadas também têm mais liberdade para projetar para desempenho e segurança, conforme explicam os autores.

A organização da UE conclui, portanto, que um pequeno número de redes de tecnologias descentralizadas globais surgirá como “a espinha dorsal de uma Web of Value”.

No entanto, três principais desafios permanecem: escalabilidade, ou seja, a capacidade de fazer grandes volumes de transações em alta velocidade; interoperabilidade, sendo capaz de trocar dados através de blockchains; e sustentabilidade, plataformas “ambientalmente responsáveis” com viabilidade de longo prazo.

O grupo afirma:

 

“Parece claro para nós que um multiverso de blockchains independentes que não podem interoperar seria severamente limitado. Os usuários de plataformas blockchain acharão vantajoso poder trocar dados e fazer transações entre redes também: uma cadeia de saúde conectando-se a uma cadeia de seguros, uma cadeia imobiliária conectando-se a uma cadeia de materiais de construção ou manufatura, e assim por diante”.

 

Caso as plataformas blockchain sejam bem-sucedidas, deverão ser capazes de escalar para atender às necessidades de seu público-alvo, acrescentou o relatório. O fórum da UE também espera que a tecnologia descentralizada “se torne menos intensiva em energia ao longo do tempo”.

Quanto ao que criará projetos bem-sucedidos de blockchain em grande escala, o documento declarou que as equipes precisarão de “uma visão clara” do que desejam alcançar, “uma razão clara” para usar blockchain sobre tecnologias tradicionais, “fortes estruturas de governança” e “compartilhamento de esforço e perícia entre as diversas partes interessadas”.

Embora a Europa tenha sido “muito favorável” no espaço blockchain, os autores disseram que “ainda há muito a ser descoberto e desenvolvido”. Portanto, a organização acredita que “uma abordagem leve, permitindo a experimentação”, é o melhor caminho a se seguir no presente.

 

“Tanto os EUA quanto a China expressaram forte apoio à pesquisa de blockchain, com a primeira chegando ao ponto de incluí-la como parte de seu orçamento de defesa de 700 bilhões de dólares. Recomendamos, portanto, que a UE continue com seu forte apoio, visando tanto a pesquisa básica como o apoio à implementação de projetos relacionados a infraestrutura em particular, bem como a pesquisa em tópicos não técnicos, como a governança de projetos de blockchain”, explicaram os autores.

 

O Observatório e Fórum da Blockchain da UE foi lançado pela Comissão Europeia no início do ano passado com o objetivo de identificar as principais iniciativas, acompanhar a evolução e promover ações comuns no domínio da tecnologia blockchain.

O grupo espera publicar outro relatório blockchain focado em questões de privacidade e confidencialidade no segundo semestre deste ano.